Paraná, | Visitantes: 4435164 | Visitantes On-line: 100 | Home | Contato
NOTÍCIAS | ESPAÇO CULTURAL | TV SINJUTRA | CARREIRA | CONVÊNIOS | PERMUTAS | LUTAFENAJUFE | CONTAS | FÓRUM | FOTOS | CARTILHA DA GREVE
   
 
 

"Sinjutra Pratica Responsabilidade Social e Sustentabilidade"
 

   

» Temer diz a empresários que pode resgatar PEC da Previdência em setembro


Presidente mais impopular do país desde o fim da ditadura é parabenizado por reformas por empresários de SP

Para os grandes empresários, mesmo os que estejam céticos quanto à viabilidade, a mensagem soou como um afago. Para os representantes sindicais dos trabalhadores, que não estavam presentes na cerimônia, como ameaça: o presidente Michel Temer disse, durante sessão plenária da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), na terça-feira (13), que poderá recolocar em discussão a reforma da Previdência em setembro.

A Proposta de Emenda Constitucional 287/2016 teve a tramitação suspensa após o presidente decretar a intervenção federal e militar na área de segurança do governo do Estado do Rio de Janeiro. A Constituição Federal proíbe a aprovação de emendas constitucionais durante intervenções federais em estados. “Não é improvável que até setembro as coisas estejam entrando no eixo no Rio de Janeiro e eu faça cessar a intervenção. E aí terei os meses seguintes para aprovar a reforma”, disse.

Fez o afago a empresários como Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que parabenizou o presidente pela atuação até aqui e cobrou a aprovação das reformas da Previdência e trabalhista. “Ninguém acreditava, mas vossa excelência provou que tem o relacionamento e competência suficientes para aprovar a reforma trabalhista. Uma grande reforma trabalhista. Não foi diferente na regulamentação do trabalho terceirizado”, disse, segundo notícia divulgada pela Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo.

A suspensão da tramitação da PEC da Previdência, embora tenha ocorrido, na versão oficial, por conta do controverso decreto de intervenção no Rio, foi evidente reconhecimento por parte do governo de que não havia como obter os 308 votos necessários para aprovar a proposta na Câmara dos Deputados.

Essa constatação é palpável não só nos discursos de aliados do Planalto à época, mas também por conta de uma obviedade: caso não fosse assim, bastaria ao governo adiar por semanas o decreto e concluir a votação do principal objetivo declarado da gestão. Agora, Temer verbaliza a possível intenção de retomar a pauta após as eleições.

Embora para muitos possa parecer de difícil viabilidade, a prudência sugere não descartar o risco: seria, ao mesmo tempo, uma solução para o desfecho da intervenção com tropas das Forças Armadas no Rio e uma satisfação aos grandes grupos empresariais, principal segmento da sociedade que presta apoio ao governo mais impopular do país desde a redemocratização. Não parece obra do acaso que tal declaração tenha sido dada ali, na Federação Comercial de São Paulo e com a Fiesp presente.


Hélcio Duarte Filho
LutaFenajufe-Notícias

 

15/03/2018
  
 
   
 
Buscar
 
 
E-Mail:
Senha:
Lembrar Senha
 
 
 
 
E-mail:
Envie sua carta...
 
TV Sinjutra
Responsabilidade Social